Venezuela: Porque o chavismo ainda mantém gigantesca base de apoio popular

Com dados da ONU / FAO e CEPAL

 

Segundo a ONU, em 2012, a Venezuela ostentava o menor índice de Gini (0,41) da América Latina, ou seja, era o país com menos desigualdade social no continente. Além disso, sua taxa de pobreza urbana caiu de 49% em 1999 para 29% em 2010.

 

A chamada Revolução Bolivariana está próxima de erradicar a pobreza extrema, já eliminou o analfabetismo (fato declarado pela Unesco em 2005) e a fome (reconhecido pela FAO), além de ter universalizado a educação e a saúde, fatos que levam a Venezuela, antes da chegada de Chavez ao poder entre as mais desiguais da América Latina, a ser a nação menos desigual e possuir o melhor Índice de Desenvolvimento Humano da região hoje, segundo a Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe).

Hugo Chávez recebe o carinho dos venezuelanos nas ruas

 

A educação venezuelana é gratuita e acessível a todos, do ensino básico ao universitário. Com o maior número de universidades públicas da região, a Venezuela é o segundo país latino-americano e quinto no mundo com a maior proporção de estudantes universitários, aumentados em mais de 800% no governo bolivariano, com cerca de 75% da educação superior pública. Em diversas unidades os estudantes têm computadores portáteis e tabletes de uso gratuito, e 60% dos professores venezuelanos pertencem à rede pública, com salário elevado na última década. Em 1999 as universidades públicas tinham 510.917 estudantes e, em 2011, esse número chegava a 1.132.306; o setor privado tinha 299.664 estudantes em 1999 e 555.198 em 2011.


As melhoras também podem ser bem observadas através do IDH do país. Dos 100 países mais bem colocados no ranking de desenvolvimento humano, 78 viram seus índices desacelerarem nos anos 2000 quando comparados às melhoras ocorridas nos anos 90. Apenas 22 países contrariaram o fenômeno mundial e se desenvolveram de forma ainda mais acelerada durante os anos 2000.


A Venezuela, onde Hugo Chávez assumira o governo em 1999, é um desses países que acelerou seu desenvolvimento humano nos anos 2000. Aliás, com uma evolução de 1,18 % ao ano, teve o 10º crescimento mais acelerado entre os 100 primeiros países no ranking de IDH.

Hugo Chávez sempre arrastou multidões em seus comícios


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em março de 2017, decretou que as empresas de telecomunicações ofereçam acesso gratuito à internet nas escolas e universidades públicas do país, em um esforço consciente para "empoderar" o povo venezuelano.

Nicolás Maduro foi ministro das relações exteriores e vice-presidente antes de vencer as eleições


Apesar do forte boicote econômico que enfrenta, e contrariando a velha retórica da raivosa e retrógrada ultra-direita latino-americana a qual prega que ações sociais são gasto e não investimento, o governo da República Bolivariana da Venezuela aprovou  para 2017 aplicação de 73,6% do orçamento nacional, estimado em 8,4 bilhões de bolívares (847.9 milhões de dólares), em projetos sociais (é exatamente por esse planejamento de combate à desigualdade social que o chavismo é combatido de forma insana e ininterruptamente pelos meios de comunicação do Brasil, todos pertencentes a classe dominante).

Nicolás Maduro discursa para milhares na "Marcha para Paz"

 

Venezuelanos apoiam a Assembléia Constituinte proposta por Maduro

 

Edição: André Nunes