Frente Nacional Trabalhista - FNT

 

 

A FNT – FRENTE NACIONAL TRABALHISTA tem como objetivo lutar pela soberania e autonomia nacional, pelo desenvolvimento econômico, por justiça e bem estar social, pela defesa do patrimônio público, pela fraternidade, prosperidade e pelo progresso da nação brasileira.

 

A FNT-RJ está estabelecida e atuará sob a inspiração dos seguintes princípios:

 

2.1 – O Nacionalismo, que consiste na valorização da identidade do povo, da Pátria, das riquezas nacionais e na luta por uma economia protecionista e desenvolvimentista, que seja instrumento de benefício da sociedade e do Estado Brasileiro;

 

2.2 – O Anti-imperialismo, que consiste na luta contra a espoliação das nações dominantes, na defesa da independência das nações que buscam desenvolvimento e na busca de relações diplomáticas horizontais, que preservem a autodeterminação dos povos.

 

2.3 – O Trabalhismo, que consiste na edificação social por meio do valor do trabalho, na defesa de uma economia produtiva voltada para o bem estar social e geração de riquezas, na defesa de condições dignas e organizadas para trabalhar e na constante manutenção dos direitos trabalhistas em diálogo com o povo trabalhador, sempre enfatizando o seu valor na sociedade;

 

Com base nos princípios referidos, a organização reivindica:

3.1 – Condições dignas de trabalho com salários justos para o povo e que se faça do trabalhador o principal beneficiado de sua produção;

 

3.2 – Controle estatal sobre as riquezas naturais, matérias primas, fontes de energia, conceitos estratégicos e os elementos formadores da infra-estrutura nacional;

 

3.3 – Um sistema tributário prático e justo, que favoreça a industrialização, a criação e desenvolvimento de empresas nacionais, a geração de riquezas, uma equitativa distribuição de renda, e que não viabilize a existência de monopólios no setor privado;

 

3.4 – Justas condições de moradia com projetos habitacionais de grande envergadura, capazes de atender ao déficit de habitação e saneamento, através de um Estado atuante e capacitado para atender as demandas relacionadas à estrutura urbana;

 

3.5 – Desenvolvimento de um sistema de educação pública em tempo integral e de qualidade, desde o ensino fundamental, capaz de garantir desenvolvimento humano, acesso à cultura, esportes, alimentação adequado, informação e profissionalização;

 

3.6 – Uma reforma agrária que execute uma justa distribuição de pequenas e médias propriedades para trabalhadores rurais e que exija produtividade do setor agrícola afim de que seja um instrumento de bem estar que respeite o meio ambiente, gere empregos e e atenda as necessidades alimentícias do povo;

 

3.7 – Fortalecimento, valorização e uma estrutura de desenvolvimento das Forças Armadas para que a partir de condições dignas de trabalho, cumpram seu papel fundamental de defender a soberania nacional;

 

3.8 – Acesso universal do povo à um sistema de saúde pública de qualidade, reconhecendo o papel fundamental da saúde preventiva;

 

3.9 – Um aproveitamento real das riquezas naturais brasileiras para o desenvolvimento de tecnologias e produtos de qualidade e uma oposição ao modelo colonial que exportação que foi imposto sistematicamente ao Brasil;

 

3.10 – Defesa do meio ambiente, de uma estrutura urbana ecológica e um incentivo a uma economia que exerça controle sobre os recursos não renováveis e seja focada em geração de energia e tecnologia sustentável;

 

3.11 – Controle e regulamentação do capital estrangeiro e que o mercado de trabalho esteja em sua maioria ocupado por empresas brasileiras;

 

3.12 – Sistemas de transporte de qualidade, que garanta uma boa estrutura de locomoção em todo território nacional para todas as finalidades a um preço acessível à população;

 

3.13 – Um sistema de segurança pública capaz de executar o seu trabalho com eficiência e idoneidade e um sistema penitenciário organizado vinculado ao trabalho como forma de reabilitação em que a soberania do Estado se faça vigente;

 

3.14 – Eficiência e praticidade nos serviços e em todas as operações estatais, afim de que sejam mais do que suficientes para atender as demandas da Nação com dignidade;

 

3.15 – Respeito à autonomia nacional para a criação de um projeto de desenvolvimento de condições próprias de financiamento em oposição às tiranias do sistema financeiro internacional.